Vias expressas do Rio têm arrastões e tiroteios a poucos meses da olimpíada


13/06/2016 08h13 – Atualizado em 13/06/2016 08h28

Só esse ano, nove pessoas morreram nas três principais vias expressas.
Locais tiveram pelo menos três arrastões e 10 tiroteios.

Do G1 Rio

 

Motoristas que usam as vias expressas do Rio andam com medo por causa dos arrastões e dos tiroteios. Estas pistas estão entre as principais rotas que serão usadas durante a olimpíada, em menos de dois meses. Segundo um levantamento do Bom Dia Brasil, desde o início do ano, nove pessoas morreram nas três principais vias expressas do Rio: Linha Vermelha, Avenida Brasil e Linha Amarela. Foram pelo menos três arrastões e 10 tiroteios.

O medo é tão grande que os motoristas chegam a adotar táticas arriscada. “Passo erradamente sem o cinto porque qualquer problema eu já saio do carro, e deito na mureta perto do chão, é complicado”, afirmou a executiva de vendas Verônica Maia, que já  ficou no meio do fogo cruzado na Linha Vermelha. A principal ligação da Baixada Fluminense, e do aeroporto internacional com a Zona Sul do Rio. Uma rota cercada por favelas dominadas pelo tráfico.

Um deles em abril, quando a polícia perseguia um carro roubado na Av. Brasil. Dois bandidos morreram. A mulher sequestrada que estava no porta-malas também foi baleada. Durante dois meses, as equipes da TV Globo percorreram as principais vias expressas do Rio
e viram poucas patrulhas. “A coisa mais rara é ver policiamento, principalmente, nos lugares mais necessários”, afirmou um motorista.

Em alguns pontos da Avenida Brasil, a escuridão na madrugada provoca mais insegurança. A via liga o centro à Zona Oeste e, do início ao fim, as pistas cruzam favelas e
e servem como principal acesso ao complexo esportivo de Deodoro, construído para a olimpíada. “Segurança a gente não tem a gente passa a mil de madrugada quando a gente passa aqui”, afirmou o pedreiro Maciel Dias.

Quem chega ao Rio de Janeiro pelo aeroporto internacional passa pela Linha Amarela para chegar até a Zona Oeste, ao bairro da Barra da Tijuca, onde as principais modalidades olímpicas serão disputadas. Mas para os especialistas, o maior problema não será enfrentado durante os jogos, quando o policiamento nessas vias estará bastante reforçado.

“Após a olimpíada, todo esse reforço, que vai quase que dobrar o efetivo total da polícia militar aqui no Rio de Janeiro, retorná. Nós estamos falando das forças armadas, força nacional, que retornarão para os seus estados”, garantiu o especialista em segurança pública Paulo Storani.

Em maio, a jovem Ana Beatriz, de 17 anos, morreu durante um arrastão, em um dos acessos à Linha Amarela. A polícia prendeu os envolvidos no crime, todos jovens. “O fato é que a polícia não tem efetivo hoje para atender a demanda”, frisou Storani,

E o perigo não é só nas vias expressas. Na semana passada, Anna Paula Cotta, de 27 anos, foi baleada na cabeça ao tentar fugir de um assalto, numas das avenidas mais importantes da Zona Norte da cidade. A psicóloga e atleta está internada em estado grave.

“A gente tá totalmente desprotegido, né, abandonado pelo estado. Muito pouco policiamento”, lamentou o taxista Paulo Romeu.

A PM disse que intensificou, este ano, o policiamento em vias expressas e que o patrulhamento é feito 24 horas por dia, apesar da reclamação dos motoristas. Segundo a PM, até o mês passado foram feitas 264 prisões e 39 apreensões de armas nessas vias.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s