Laboratório de fonoaudiologia ajuda transexuais a readequar a voz no Rio


07/06/2016 06h00 – Atualizado em 07/06/2016 10h03

Objetivo é fazer com que vozes se tornem mais naturais.
Pacientes afirmam que tratamento os ajudou a perder a timidez.

Cristina Boeckel

Do G1 Rio

Ser recebido nos locais com respeito. Esse é o único interesse dos transgêneros e travestis que participam de um laboratório de readequação vocal que é promovido desde março pelo curso de fonoaudiologia da Universidade Veiga de Almeida, no Rio. Por meio de exercícios individualizados e que devem ser repetidos em casa, os pacientes têm como objetivo fazer com que as suas vozes se tornem condizentes às suas imagens.

Desta forma, aumentam as chancer de conseguir melhores empregos e mais reconhecimento da sociedade, deixando para trás o risco de cair em situações de marginalidade. A equipe de reportagem do G1 acompanhou um dia de atendimentos e mostra como os pacientes reagem ao trabalho vocal.

O laboratório é uma ideia conjunta do professor João Lopes e da aluna Gisele Braga, que transformou a ideia em seu projeto de iniciação científica. A iniciativa tenta retirar os transexuais de um lugar de exclusão e colocá-los em condições de disputar empregos no mercado formal, saindo de condições de exclusão e marginalidade.

Com 20 anos de carreira como fonoaudiólogo, mas trabalhando pela primeira vez com pacientes transgêneros, o professor João Lopes já celebra os primeiros resultados da iniciativa, como duas pacientes que conseguiram entrevistas de emprego e um outro que conseguiu uma promoção na empresa onde trabalha, depois de apresentarem os primeiros resultados após o começo da readequação.

“O objetivo é fazer com que este público seja inserido dentro da nossa sociedade. Abrir a possibilidade de ofertas de emprego”, explicou o professor.

Uma vez criado o espaço, coube a Gisele conversar com pacientes em potencial para saber se seria possível reunir pessoas interessadas no serviço.

“O João propôs a ideia, criou o projeto e eu fui à rua, ver se tinha interesse, se as pessoas poderiam vir. Até então eram transgêneros femininos e depois começou a vir o público masculino também”, explicou a estudante.

Perda da timidez
Para a maioria dos pacientes que são atendidos, o trabalho com os fonoaudiólogos é uma ajuda contra a timidez. A possibilidade de falar com as pessoas em situações simples, sem temer ser confundido com o outro gênero, é a maior alegria que o projeto pode proporcionar.

Eduardo Polejack, de 33 anos, considera que a mudança vocal é um dos principais passos na luta para alterar os documentos para o gênero masculino. Fazendo o acompanhamento há um mês e duas semanas, ele se sente orgulhoso com o reconhecimento dos colegas e amigos de que a sua voz está diferente.

“Cheguei inseguro e tinha dificuldade de me colocar. Tinha até dor nas costas porque me sentia retraído para falar com qualquer pessoa”, explicou o jovem.

Ele luta pela retificação de seu registro civil e acredita que a mudança vocal pode ajudá-lo a ser reconhecido e a superar a timidez.

“A recomendação para melhorar o tom de voz para mostrar o homem que sou acabou me fazendo bem, porque eu fiquei mais à vontade com qualquer pessoa. No trabalho, quando eu fazia um atendimento por telefone, eu me sentia muito incomodado com a voz. Hoje tenho uma facilidade maior para falar”, explicou Eduardo.

O jovem acredita que o caminho da readequação da voz é longo, mas ele acredita que a sua fala está de acordo com a sua aparência.

“Eu ainda tenho muito o que melhorar e está mais compatível com o que vejo nas fotos”, explicou Eduardo.

Patrícia é paciente do laboratório de fonoaudiologia (Foto: Cristina Boeckel/ G1)

Melhora na qualidade de vida
Todos os profissionais envolvidos no projeto destacaram a importância da voz no reconhecimento dos transexuais como pessoas que fazem parte do seu gênero, e não pessoas caricatas que estão à parte da sociedade.

Amanda Castro, de 22 anos, afirma que sempre quis fazer um tratamento fonoaudiológico, mas só agora teve a oportunidade. Para ela, é uma oportunidade melhora da autoestima e de reconhecimento de sua identidade de gênero.

“Eu liguei para a farmácia e fizemos um teste. Pedi um remédio. O atendente começou a conversar comigo e já disse: ‘bom dia, senhora!’ E antes eu tinha uma dificuldade de ter a minha identidade de gênero respeitada e reconhecida pelo telefone. Depois ele repetiu senhora de forma mais firme. E foi a confirmação que eu tive um retorno positivo no tratamento”, contou Amanda.

Patrícia Rodrigues, que também é paciente do projeto, conta que abandonou o projeto por um período por conta de problemas pessoais, mas retomou logo que pode porque não queria perder a oportunidade. Ela acredita que está aprendendo a lidar com a própria expressão.

“Eu lembro que desde criança, eu tinha uns oito anos, mas já não gostava da minha voz. Eu ainda não gosto, mas estou trabalhando para chegar em uma voz que me agrade, que eu consiga falar. Por exemplo, você quer pedir ao motorista do ônibus para parar em um lugar, antes eu não falava. Eu tinha muita vergonha”, explicou Patrícia, lembrando que uma amiga já reparou a alteração na voz.

Maria Eduarda, de 31 anos, conta que nunca teve a voz muito grave. Porém, os exercícios a ajudam a tornar a voz ainda mais feminina, com um padrão vocal mais agudo.

“Após o exercício você sente nitidamente uma melhora, como se a voz tivesse dado uma limpada e uma melhorada”, explica a paciente.

Professor João Lopes fala sobre o processo de transformação da voz de pacientes transexuais (Foto: Andressa Gonçalves/ G1)

Voz de acordo com o visual
O professor João conta que as vozes não são transformadas, mas são adequadas aos padrões físicos. Ele explica que é preciso fugir da caricatura e evitar vícios que possam prejudicar a voz como, por exemplo, falar em falsete para parecer que possui uma voz mais aguda e feminina.

“Se você tem uma transexual de 1,90m de altura, eu não vou ter como colocá-la com uma voz muito aguda. Ela vai ter uma voz com padrões femininos, mas ela não vai ter uma voz totalmente aguda porque temos que respeitar a anatomia dela, a fisiologia da laringe. Se eu começar a trabalhar uma estrutura que foge muito do biótipo, isso vai prejudicar futuramente aquela voz. Um dos riscos, inclusive, é falar em falsete. Queremos uma voz natural dentro do alcance, da estrutura dessa pessoa”, explicou João.

O tratamento é gratuito e acontece durante o período da manhã. Cada sessão conta com o acompanhamento de, pelo menos, um fonoaudiólogo. A coordenadora do curso de fonoaudiologia da UVA, Rita Lenisa, celebra a criação de um espaço para que os cidadãos transexuais possam ter as mesmas oportunidades dos cis – que exercem o gênero com o qual nasceram.

“É um suporte para que essas pessoas consigam um outro espaço na sociedade. É um trabalho que tira as pessoas dos subempregos e da marginalização onde, muitas vezes, a voz não corresponde a imagem dificulta tudo”, explicou Rita.

Todos os pacientes e alunos que circulam pela instituição são chamados sempre pelo nome social. Os atendimentos acontecem no horário da manhã e ainda há vagas. Atualmente, o serviço conta com um total de 10 pacientes. Novos horários devem ser abertos a partir do segundo semestre. O serviço é gratuito. Mais informações pelo telefone (21) 2502-3238.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s